Terça-feira, 25 de abril de 2017 às 10:47 em Novidades
Diretor de ‘Guardiões da Galáxia - Vol. 2’ diz que filme fala sobre família e diversidade.

Se o primeiro “Guardiões da Galáxia” (2014) era uma aventura espacial e musical improvável sobre mães e filhos, “Guardiões da Galáxia Vol. 2”, que chega aos cinemas depois de amanhã, investiga o relacionamento entre pais e filhos embalado por uma trilha sonora ainda mais emocionante.

Dirigido por James Gunn, que assina os dois longas, o filme leva adiante a história de Peter Quill (Chris Pratt), alter-ego do Senhor das Estrelas e seu grupo de mercenários alienígenas em missão pelos confins do universo. Quill, que aos 9 anos foi abduzido de sua casa por um bando de contrabandistas espaciais e nunca conheceu o pai, acaba de realizar um trabalho em companhia de Gamora (Zoe Saldaña), Drax (Dave Bautista), o guaxinim falante Rocket (a voz de Bradley Cooper) e a árvore humanoide Baby Groot (voz de Vin Diesel), quando é salvo de um ataque por uma misteriosa entidade.

— Parecia uma ideia boba, mas é importante saber que o fato de termos feito algo com honestidade foi percebido pelos jovens. Ainda mais quando vemos tantos filmes grandes de Hollywood com explosões e personagens recitando diálogos sem nenhuma sustentação emocional — disse Gunn, em entrevista ao GLOBO, de passagem por São Paulo, no fim do ano passado, durante a terceira edição da Comic Con Experience.

COMENTÁRIOS